sexta-feira, 29 de março de 2013

EIXOS NORTEADORES PARA UMA EDUCAÇÃO INFANTIL DE QUALIDADE


EIXOS PARA UMA EDUCAÇÃO INFANTIL DE QUALIDADE


EIXOS NORTEADORES PARA UMA EDUCAÇÃO INFANTIL DE QUALIDADE
Material elaborado pelo professor Cledson Jean, com base no Referenciais Curriculares para a Educação Infantil, afim de ser utilizado na Formação Continuada da Escola Príncipe do Saber – Natal RN.
1. A infância como um tempo de formação
1.1. Nesse período, a criança se constitui como indivíduo, forma a sua identidade, constrói valores, conhecimentos e significados, desenvolvendo sua singularidade e pluralidade, estabelecendo relações com o seu ambiente físico e social.
1.2. Não se pode restringir a aprendizagem de conteúdos escolares ou ao desenvolvimento de habilidades que serão posteriormente úteis. É nessa perspectiva que o trabalho de construção de novos conhecimentos precisa ser encarado.
1.3. O importante é verificar se cada atividade representará um benefício para a criança, no seu processo atual de desenvolvimento e formação humana.
1.4. É imprescindível estar atento às formas próprias com as quais as crianças entram em contato com o mundo, se relacionam, lidam com o conhecimento, com a moralidade, com a sexualidade, etc.
As necessidades, as possibilidades e interesses dos grupos e de cada criança devem ser o ponto de partida do amplo cardápio a lhes ser oferecido.
2. Respeito e acolhida às diferenças
ü  Raça;
ü  Credo;
ü  Etnia;
ü  Ritmos;
ü  Condições sócio-afetivas;
ü  Características físicas e mentais.
3. A construção da identidade e o aperfeiçoamento profissional do professor como instrumentos fundamentais para a qualidade da Educação Infantil.
3.1. O processo contínuo de formação é imprescindível para a garantia de uma educação de qualidade às crianças.
3.2. (...) “Não basta trazer certas informações e ensinar certas habilidades; é preciso abordar as concepções, valores, posturas do professor; é preciso possibilitar ao docente, dar-se conta dos papeis e dos valores que tem assumido cotidianamente em sala de aula.”
4. A importância de uma Gestão participativa e da relação com as famílias e com a comunidade no entorno da Instituição.
4.1. A escola deve dar apoio à família na difícil tarefa de cuidar de crianças, mas é preciso cuidado para não se equivocar e comprometer o seu trabalho competindo com ela pela confiança e afeto da criança.
4.2. Quanto à Gestão democrática, as propostas pedagógicas devem dar destaque à existência de canais de participação, estimular a construção/intensificação de uma atmosfera de confiança e solidariedade, onde as decisões sejam negociadas e compartilhadas. Dessa forma, todos se tornam responsáveis e comprometidos com a busca de caminhos para alcançar os objetivos em comuns.
5. Organização do trabalho educativo.
              A organização dos tempos e dos espaços

No lugar de se pensar numa organização que seja mais prática ou cômoda para os adultos que trabalham na entidade, se dará prioridade aos interesses e necessidades da criança.
              A organização da rotina

Deve contemplar ao máximo as necessidades das crianças. Precisa ser flexível e que respeite as diferenças no tocante a horários rígidos para a alimentação, para a satisfação das necessidades fisiológicas de urinar, defecar, para o sono, etc. É importante que a criança tenha tempo para se ajustar ao ritmo coletivo.
              As atividades lúdicas

O jogo não pode se restringir ao chamado jogo educativo, aquele que se destina ao ensino de algum tema previsto no currículo.
A brincadeira se constitui num dos raros momentos em que conseguimos trabalhar o desenvolvimento de forma completamente integrada, pois abrange tanto a cognição da criança como a sua psicomotricidade, a sua afetividade e a sua sociabilidade.
A brincadeira de faz-de-conta, se constitui num poderoso instrumento para a criança realizar a maior tarefa da infância, que é a construção da pessoa.
Na Educação Infantil as crianças precisam de:
ü  Espaços e materiais adequados para as atividades lúdicas:
·         Áreas internas e externas utilizáveis;
·         Oficina de construção de brinquedos;
·         Cantinhos (faz-de-conta, ateliê, livros de literatura infantil);
·         Brinquedos de diversos tipos (encaixe, construção, jogos diversos) adequados e em quantidade suficiente;
·         Materiais diversificados e polivalentes.

ü  Área de conhecimento
·         Linguagem oral e escrita
·         Matemática
·         Natureza
·         Sociedade
·         Movimento
·         Música                  Conhecimento de Mundo
·         Artes visuais

             Alguns aspectos que devem ser observados:

ü  Que tipo de tema, material ou jogo desperta a sua curiosidade? Estimula a troca entre as crianças? Como a criança aproveita melhor a atividade, em duplas ou em pequenos grupos? A maioria das crianças está desenvolvida?
ü  Registrar essas observações a fim de possibilitar a melhor reflexão e tomada de decisão acerca  do trabalho desenvolvido com as crianças.
LDB. Art. 31 – Na Educação Infantil a avaliação far-se-á mediante acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao Ensino Fundamental.

Nenhum comentário:

Postar um comentário