Viajando No Mundo dos Contos de Fada

Viajando No Mundo dos Contos de Fada

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

TextoI IV

(PAEBES). Leia o texto abaixo.
PARDALZINHO
O pardalzinho nasceu
Livre. Quebraram-lhe a asa.
Sacha lhe deu uma casa,
Água, comida e carinhos.
Foram cuidados em vão:
A casa era uma prisão,
O pardalzinho morreu.
O corpo, Sacha enterrou
No jardim; a alma, essa voou
Para o céu dos passarinhos!
BANDEIRA, Manuel. Pardalzinho. In: Poesia completa e prosa, Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1996.

Nos versos “O corpo, Sacha enterrou no jardim; a alma, essa voou para o céu dos passarinhos!”, a palavra ESSA refere-se à
A) água.
B) alma.
C) casa.
D) Sacha.

 Prova Brasil). Leia o texto abaixo:
Duas Almas

Ó tu, que vens de longe, ó tu, que vens cansada, 
entra, e sob este teto encontrarás carinho: 
eu nunca fui amado, e vivo tão sozinho, 
vives sozinha sempre, e nunca foste amada... 

A neve anda a branquear, lividamente, a estrada,
e a minha alcova tem a tepidez de um ninho. 
Entra, ao menos até que as curvas do caminho 
se banhem no esplendor nascente da alvorada. 

E amanhã, quando a luz do sol dourar, radiosa, 
essa estrada sem fim, deserta, imensa e nua,
podes partir de novo, ó nômade formosa! 
Já não serei tão só, nem irás tão sozinha. 
Há de ficar comigo uma saudade tua... 
Hás de levar contigo uma saudade minha...
WAMOSY, Alceu. Livro dos Sonetos. L&PM. 

No verso "e a minha alcova tem a tepidez de um ninho" (v. 6), a expressão sublinhada dá sentido de um lugar:
(A) aconchegante. 
(B) belo. 
(C) brando. 
(D) elegante. 

(Prova Brasil).Leia o texto abaixo:

Realidade com muita fantasia

Nascido em 1937, o gaúcho Moacyr Scliar é um homem versátil: médico e escri­tor, igualmente atuante nas duas áreas. Dono de uma obra literária extensa, é ainda um biógrafo de mão cheia e colaborador assíduo de diversos jornais brasileiros. Seus livros para jovens e adultos são sucesso de público e de crítica e alguns já foram publicados no exterior.
Muito atento às situações-limite que desagradam à vida humana, Scliar com­bina em seus textos indícios de uma realidade bastante concreta com cenas abso­lutamente fantásticas. A convivência entre realismo e fantasia é harmoniosa e dela nascem os desfechos surpreendentes das histórias.
Em sua obra, são freqüentes questões de identidade judaica, do cotidiano da medicina e do mundo da mídia, como, por exemplo, acontece no conto “O dia em que matamos James Cagney”.
Para Gostar de Ler, volume 27. Histórias sobre Ética. Ática, 1999.
A expressão sublinhada em “é ainda um biógrafo de mão cheia” (ℓ. 2) e (ℓ. 3) sig­nifica que Scliar é
(A) crítico e detalhista.
(B) criativo e inconseqüente.
(C) habilidoso e talentoso.
(D) inteligente e ultrapassado.


 (Projeto con(seguir)-DC). Leia o texto abaixo.

MAIS DE 70 ANIMAIS SÃO ADOTADOS EM FEIRA EM SP

Cerca de 1, 5 mil pessoas participaram da feira de adoção de cães e gatos organizada pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de São Paulo em Santana, na Zona Norte da capital paulista. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, foram adotados 47 gatos e 30 cães, entre eles cinco pit bulls. A novidade deste ano foi o “cãorreio elegante”. Os cachorros fizeram o papel de cupido trocando mensagens entre os visitantes da festa. Cerca de 400 animais ficaram à disposição de visitantes interessados em levá-los para suas casas.
Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/03/mais-de-70-animais-sao-adotados-em-feira-de-adocao-em-sp.

No trecho “foram adotados 47 gatos e 30 cães, entre eles cinco pit bulls”, a palavra destacada refere-se a
(A) cães.
(B) animais.
(C) gatos.
(D) cavalos.
 (Projeto con(seguir)-DC). Leia o texto abaixo.
MOBÍLIA DE CARA NOVA
O sofá já mudou de lugar três vezes, as almofadas já foram trocadas, mas a aparência da sala de estar continua a mesma. Se você enjoou dos seus móveis, pense duas vezes antes de passá-los adiante ou jogá-los fora: seguindo a onda da sustentabilidade, customizar a mobília se tornou uma opção criativa e ecologicamente correta para mudar a cara da sua casa. Uma demão de tinta colorida e uma nova estampa para o estofado podem dar outra vida àquela cadeira velha.
Fonte: http://vejario.abril.com.br/especial/reforma-moveis-635741.shtml

“Se você enjoou dos seus móveis, pense duas vezes antes de passá-los adiante ou jogá-los fora...”
No trecho acima, os segmentos sublinhados referem-se
(A) aos sofás.
(B) aos estofados.
(C) aos móveis.
(D) aos armários. 

(Fragmento)

A Amazônia abriga uma riqueza de fauna sem paralelo: não há outro lugar do mundo que tenha tamanha variedade de peixes, aves, primatas e insetos como esta floresta. (...)
Os mamíferos são os animais mais difíceis de serem avistados na floresta, já que a maioria tem hábitos noturnos e, os que podem ser observados de dia, normalmente fogem de qualquer barulho humano. (...) Algumas espécies estão ameaçadas de extinção, em função da degradação do habitat e da caça predatória, como a onça-pintada e o peixe-boi.
Fonte: http://www.horizontegeografico.com.br

“A Amazônia abriga uma riqueza de fauna sem paralelo...” No trecho acima, a palavra sublinhada pode ser substituída por
(A) onça.
(B) peixe-boi.
(C) mamíferos.
(D) animais.

 (AvaliaBH). Leia o texto abaixo.

Dicas para economizar água
Para melhor entender o gasto de água, leia e se esforce para fazer sua parte.
Na Cozinha
Lavar a louça com a torneira da pia meio aberta durante 15 minutos consome 117 litros. Limpe os restos dos pratos e panelas com escova e jogue no lixo. Coloque água na cuba até a metade para ensaboar e feche a torneira. O gasto cairá para 20 litros.
No Tanque
Lavar a roupa por 15 minutos pode gastar 279 litros. O melhor é acumular a roupa, colocar água no tanque para ensaboar, deixando a torneira fechada. Com uma mangueira semi-aberta, gastam-se 560 litros para lavar o carro. Se o serviço for feito com um balde, o consumo cai para 40 litros.
Torneira fechada
Torneira aberta é igual a desperdício. Com a torneira aberta, você gasta de 12 a 20 litros de água por minuto. Se deixar pingando, são desperdiçados 46 litros por dia.
Disponível em: *Adaptado: Reforma Ortográfica.

Em “O melhor é acumular a roupa...”, a palavra sublinhada pode ser substituída, sem alteração de sentido, por
A) deixar.
B) guardar.
C) juntar.
D) pendurar.


(AvaliaBH). Leia o texto abaixo.
“Amizade dada é amor”
– “Riobaldo, pois tem um particular que eu careço de contar a você, e que esconder mais não posso... Escuta: eu não me chamo Reinaldo de verdade. Este é nome apelativo, inventado por necessidade minha, carece de você não me perguntar por quê. Tenho meus fados. A vida da gente faz sete voltas – se diz. A vida nem é da gente...”
Ele falava aquilo sem rompante e sem entonos, mas antes com pressa, quem sabe se com tico de pesar e vergonhosa suspensão.
– “Você era menino, eu era menino... Atravessamos o rio na canoa... nos topamos naquele porto. Desde aquele dia é que somos amigos.”
Que era, eu confirmei. E ouvi:
– “Pois então: o meu nome, verdadeiro, é Diadorim... Guarda este meu segredo.
Sempre, quando sozinhos a gente estiver, é de Diadorim que você deve me chamar, digo e peço, Riobaldo...”
Assim eu ouvi, era tão singular. Muito fiquei repetindo em minha mente as palavras, modo de me acostumar com aquilo. E ele me deu a mão. Daquela mão, eu recebia certezas. Dos olhos. Os olhos que ele punha em mim, tão externos, quase tristes de grandeza. Deu alma em cara. Adivinhei o que nós dois queríamos – logo eu disse:
– “Diadorim... Diadorim!” – com uma força de afeição. Ele sério sorriu.
ROSA, Guimarães. Grande Sertão Veredas. Apud Estudos de Língua e Literatura,. São Paulo: Moderna, 5 ed. 1998, p. 201.

No trecho “‘A vida da gente faz sete voltas’” ( . 4), o emprego da expressão destacada revela a intenção do autor em ressaltar que Diadorim entende que a vida é
A) amarga.
B) incerta.
C) ingrata.
D) madrasta.



Nenhum comentário:

Postar um comentário